top of page
Buscar
  • SECHAT

EUA: médicos de emergência preferem usar cannabis em vez de opióides

Pesquisa recente aponta que médicos norte-americanos preferem à cannabis aos opióides para o tratamento de primeira linha de condições médicas


Curadoria e edição Sechat, com informações de Canex

Os opióides têm sido cada vez mais prescritos para um grande número de condições – particularmente aquelas em que a dor é um sintoma importante. No entanto, os opióides carregam um enorme risco de dependência, abuso e overdose.

Houve uma estimativa de 446.032 mortes relacionadas a opióides entre 1999 e 2018 somente nos EUA. Os médicos de medicina de emergência (ME) estão na linha de frente dos cuidados, desde a ressuscitação de overdoses até o controle da dor aguda, ao mesmo tempo em que contrabalançam o comportamento de busca de opióides.

Os médicos estão cientes de que a administração de opioides no departamento de emergência e a prescrição de opioides para pacientes ambulatoriais contribui diretamente para o uso indevido e a dependência dos medicamentos. Portanto, muitos médicos preferem considerar tratamentos alternativos – de acordo com os resultados de uma pesquisa recente. Uma dessas terapias alternativas é a cannabis medicinal.

Os pesquisadores distribuíram um questionário de pesquisa para médicos dos EUA que participaram da maior conferência nacional de EM (Conferência Anual do American College of Emergency Physicians [ACEP]) em 2018. Um total de 539 pesquisas concluídas foram incluídas para avaliação.

Resultados do Estudo

A maioria dos entrevistados (54,8%) praticava em estados onde a cannabis medicinal é legal, enquanto 23,1% dos entrevistados praticavam em estados onde a cannabis medicinal e de uso adulto é legal. A maioria (70,7%) dos praticantes que completaram a pesquisa acredita que a cannabis tem valor medicinal.

Os médicos participantes foram questionados se prefeririam usar cannabis ou opióides como tratamento de primeira linha de uma condição médica – desde que a cannabis medicinal fosse legal em nível federal, fosse administrável em diferentes formatos (flor, pílula, sublingual e intravenosa), disponível para uso em um ambiente ME.

Os resultados revelaram que a maioria dos médicos preferiria usar cannabis se os estudos médicos descobrissem que era igualmente eficaz (52,3%), e mais preferiria cannabis se fosse mais eficaz (79,6%).

A crença de que a cannabis tem valor médico aumentou significativamente as chances de os médicos escolherem cannabis em vez de opióides – caso a cannabis seja considerada igual ou mais eficaz. No entanto, uma proporção significativa do participantes responderam “não sabe/não tem preferência”, o que sugere ambivalência ou falta de conhecimento sobre a cannabis medicinal.

Conclusões do Pesquisadores

Os pesquisadores deste estudo relataram surpresa com os resultados, pois “não esperavam que os médicos de ME estivessem dispostos a usar cannabis neste ambiente, devido às décadas de estigma como uma droga perigosa”. Uma revisão abrangente das Academias Nacionais de Ciências concluiu que a cannabis medicinal é útil para o tratamento da dor crônica em adultos. No entanto, a cannabis – mesmo para uso médico – permanece ilegal nos EUA.

Os pesquisadores concluem que esses resultados refletem o desejo dos médicos de EM de ter uma opção de tratamento alternativa aos “efeitos potencialmente viciantes conhecidos dos opioides, entendendo a gravidade da epidemia de opioides”. Com base nessas descobertas, que são consistentes com um estudo semelhante publicado no ano anterior, que revelou que 68,3% dos médicos acreditam que a cannabis tem valor medicinal, justifica-se um estudo mais aprofundado dessa potencial terapêutica alternativa/adjuvante.

A cannabis medicinal está sendo cada vez mais considerada um adjuvante ou alternativa ao opióide para reduzir a dor – particularmente a dor crônica. No entanto, a ilegalidade da cannabis em nível federal nos EUA significa que há pouca pesquisa sobre se os médicos de ME considerariam seu uso em ambientes agudos. O objetivo deste estudo então, foi “avaliar as preferências dos médicos de ME para usar cannabis medicinal em comparação com opióides em um ambiente de ME caso fosse legalizado”.


Commentaires


bottom of page